sábado, 29 de novembro de 2014

Bispo Anthidio Dias da Silveira


Bispo Anthidio Dias da Silveira

Em 1975 (Praça da Concordia)

Nasceu em 14 de julho de 1918, viveu em um berço evangélico, o pai era natural de minas e a mãe de Angola, Africa, serviu a marinha por 03 anos e em 1946, ingressou no seminário de Teológia Betel, onde concluiu o curso teológico.


Iniciado a obra de Deus no Jacarezinho, a partir de 1946, a primeira Igreja Batista de Vieira Fazenda é considerada umas das primeiras construçoes de alvenaria do Jacarezinho.


Falecido no  dia 20 de dezembro de 2009, aos 91 anos de idade, deixou grandes saudades, eu Fabio, vim conhecer a história dele apos iniciar o trabalho como agente comunitário na Clinica da Familia, batizado com o nome dele em homenagem, convivendo com alguns membros da primeira igreja batista um exemplo o Luis que é agente comunitário, aluno de jornalismo e membro da igreja batista, fiquei maravilhado com a história desse grande evangelista que construiu e marcou a história do Jacarezinho.


Jacarezinho, Amaro Rangel

 19 de julho 71


 Concentração dia da Biblia praça da concordia 1975



 Dia da bíblia Praça Arthu Simões (Largo dos Tubas)


Templo da Amaro Rangel, 1953


Abaixo, se possível queria que vocês lessem o depoimento desse grande homem, prometo que vocês irão se emocionar com tamanha fé, coragem e determinação. 



Minha educação e formação desde a infância foram evangélicas. Casei-me em 1937 com Dona Jurema Gomes da Silveira, que se formou em Educação Religiosa pelo Seminário Teológico Betel em 1950, também diplomada pela faculdade de Serviço Social do Rio de Janeiro, no curso de Assistência Social. Aceitei a Jesus como Salvador aos sete anos de idade, sendo batizado aos doze, mas convertido aos 26 anos.
VISÃO MISSIONÁRIA DADA AO BISPO ANTHIDIO DIAS DA SILVEIRA PARA A IGREJA BATISTA DE VIEIRA FAZENDA

 Desde 1945 éramos membros da Igreja Batista do Rocha – Rio e no Seminário Teológico Betel, cursávamos o primeiro ano, quando o pastor da Igreja, Pr. José dos Reis Pereira, disse: – Irmão Anthídio, como o irmão sabe, nossa igreja tem um ponto de pregação no Jacarezinho e é o irmão que viso para dar continuidade ao trabalho, visto que o ponto de pregação será transformado em Congregação. A princípio, não concordei, visto haver na Igreja, diversos seminaristas e alguns já terminando o seminário; no que respondi: – Manda um deles. Mas sua palavra foi: – O irmão nada tem a ver com os outros, a pessoa indicada é o irmão. Prometi-lhe orar sobre o assunto, o que comecei a fazer de imediato. Naquela mesma noite, ao me retirar da reunião da Igreja, no caminho, eu ouvi a voz do Espírito que me disse: “-É você mesmo que Eu quero que vá”, e logo respondi: – Eis-me aqui, eu irei.

Na reunião seguinte, comuniquei minha decisão ao Pr. José dos Reis e assim, no dia determinado, 19/09/46, foi inaugurada a Congregação no local onde funciona até hoje, a Primeira Igreja Batista de Vieira Fazenda – lugar que o Dono da terra nos concedeu para aí, trabalhar com seu povo e realizar a Sua obra.


Naquela mesma tarde, enquanto caminhávamos, a comitiva da Igreja, sob a direção do Pr. José dos Reis Pereira, já entrando no Jacarezinho, pela Praça XV de Agosto, e enquanto orava pedindo almas convertidas a Cristo, Deus me deu a tríplice visão do meu ministério em Vieira Fazenda, mostrando-me um grande povo, um grande templo e uma grande obra realizada por esse povo. Para Deus tudo era real, mas na verdade ainda nada existia; cri na visão e que assim seria feito. Hoje o grande povo é a Igreja Batista de Vieira Fazenda, o templo está construído conforme a visão e a grande obra realizada por esta Igreja é a que está sendo realizada e desenvolvida, a obra missionária direta, na absoluta dependência de Deus sem interferências.

Desde o início da Igreja, jamais foi descuidada a instrução missionária, com a aprovação do Espírito Santo, pois toda iniciativa e operação nesse sentido são de Sua autoria, por isso tem prevalecido.

Depois de muitos reboliços missionários na igreja, com centenas de vidas postas à disposição de Deus, Pastor e esposa foram enviados pelo Espírito Santo ao Sertão brasileiro para conhecerem de perto a grande obra de fé dos batistas brasileiros às margens dos Rios Tocantins, Araguaia, São Francisco e outros locais.

Foram dias inesquecíveis porque, por experiência própria, vimos o desprendimento e a consagração dos que têm suas vidas imoladas sobre o altar, para fazerem a vontade de Deus, à semelhança do seu Mestre “que não poupou a sua própria vida, mas antes, a entregou por todos nós”; eles também, não amando as suas próprias vidas, lá se encontram, “cumprindo com alegria, cada um, a sua carreira neste mundo e, dando conta do ministério que receberam do Senhor Jesus para darem testemunho do Evangelho da graça de Deus”. Aleluia!

Há um fato, que não devo deixar passar despercebido (Abril a Agosto/59); Humanamente falando, é incrível como pode a Igreja Batista de Vieira Fazenda, “tão pobre”, no pensar de alguns, custear todas as passagens de avião durante cinco meses, ida e volta? “Desperdício? Deus o sabe…”.

Com muita razão, alguém poderá perguntar: Qual a razão de tal empreendimento? E a resposta para todas as indagações da mente humana é: “Os meus pensamentos não são os vossos pensamentos nem os meus caminhos os vossos caminhos, diz o Senhor”.

Para ser honesto, nem eu mesmo cheguei a imaginar a razão, mas obedeci e, porque obedeci, no princípio de 1960 me veio a palavra da parte do Senhor dizendo: “Eu sei as tuas obras, eis que diante de ti (Igreja), pus uma porta aberta, e ninguém a pode fechar, tendo pouca força guardaste a minha palavra, e não negaste o meu nome… saibam que Eu te amo” Jesus. Ap 3: 8,9b.

Em 30/03/60, um ano após a viagem, foi dito a Igreja da parte do Espírito (Eu vos dou poder para evangelizar o mundo). Uma pequena flâmula marcou o fato…


Daí em diante, manteve-me o Senhor na expectativa para saber em qual parte do mundo e por onde começaríamos; foi então, quando nos veio o seguinte raciocínio: a Igreja começará o seu trabalho conforme o programa da grande comissão de Atos 1:8, mas objetivará o campo missionário indígena no Brasil e os Judeus locais.

Eis as razões, porque o Espírito Santo tem separado, ensinado e enviado missionários aos índios, sustentados através da Igreja. Devemos aguardar a ocasião quando obreiros serão também chamados e preparados para ajudarem o Senhor, na conversão de Judeus para se voltarem para o Senhor, conforme Zac. 12:1-13; 13:1.

Esta é em resumo, a Visão Missionária confiada a nossa Igreja e que em 30/03/83 lhe foi dito: “Guarda o que tens para que ninguém tome a tua coroa”.

A obra missionária é a coroa com a qual o Senhor da Igreja coroou a Igreja alistando-a em Seu conselho. Apoc 1:20; 3:11b. Logo todos devemos querer cooperar com o Senhor Jesus Cristo e seremos divinamente capacitados para realizá-la segundo a vontade de Deus. Precisaremos nos vestir desta visão e conduzir o estandarte de Missões de tal maneira, que não o arrastemos por terra. Salmos 60:4.

Diante do exposto, devemos atentar para a mensagem que temos em Esdras 10:4 “Levanta-te, pois, porque te pertence este negócio, e nós (Deus) seremos contigo. Esforça-te e faze assim”.




O blog agradece à Primeira Igreja Batista de Vieira Fazenda, por este material rico e abençoado que faz parte da historia e da realidade da comunidade



Proxima → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário